Ir para áreas de especialização

Agroalimentar e bioeconomia

O sector agroalimentar e a bioeconomia emergem como pilares essenciais no cenário global atual, desempenhando papéis fundamentais na promoção do desenvolvimento sustentável, na garantia da segurança alimentar e na preservação do meio ambiente. Enquanto a agroalimentação abarca todas as atividades relacionadas à produção, processamento, distribuição e consumo de alimentos, a bioeconomia concentra-se na utilização sustentável dos recursos biológicos para criar produtos e serviços de maior valor agregado.

A estratégia europeia de bioeconomia destaca a importância da sustentabilidade e circularidade como fundamentais para impulsionar a modernização e renovação dos sistemas de produção primários, bem como para proteger o meio ambiente. Nesse sentido, o modelo de bioeconomia circular e sustentável surge como resposta aos desafios ambientais e sociais atuais, visando garantir o fornecimento justo de alimentos, mitigar os impactos das mudanças climáticas e reduzir a dependência de combustíveis fósseis. Além disso, a bioeconomia cria novas oportunidades de desenvolvimento económico, especialmente em áreas rurais.

Promoção da Inovação e Investimento no sector Agroalimentar e na Bioeconomia

O apoio à pesquisa e inovação desempenha um papel crucial na transformação e crescimento desses setores. O Horizonte Europa, maior fonte de financiamento público da União Europeia, direciona recursos significativos para o Cluster 6 sobre “Alimentação, Bioeconomia, Agricultura e Meio Ambiente”. Este cluster tem como foco os desafios enfrentados pelos agricultores, silvicultores e comunidades rurais, promovendo o desenvolvimento de soluções inovadoras e sustentáveis.

Paralelamente, o programa Circular Bio-based Europe (CBE JU) financia projetos voltados para o desenvolvimento de soluções baseadas em recursos biológicos, com foco na sustentabilidade ambiental e na circularidade. Além disso, o Conselho Europeu de Inovação (EIC) e o Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia em Alimentação (EIT Food) financiam iniciativas inovadoras que aceleram a transição para uma agricultura e sistema alimentar sustentáveis.

Sustentabilidade e circularidade, um eixo fundamental

A sustentabilidade e a circularidade são fundamentais para garantir o bom funcionamento da bioeconomia.

Os nossos números

125M€

Return for our clients in European projects

+540

Proposal submitted in european programmes (21-23)

80

Projectos europeus apresentados a programas de alimentação desde 2014

30%

Taxa de sucesso de aprovação na apresentação de projectos europeus

O Compromisso de Portugal com a Segurança: Estratégia Nacional para 2030

Em Portugal, a segurança é uma prioridade estratégica dentro do programa Portugal 2030. Esta seção concentra-se em fortalecer a segurança cibernética, defesa e proteção civil. No âmbito da segurança cibernética, o programa busca melhorar a proteção de infraestruturas críticas e prevenir ameaças cibernéticas, promovendo a cooperação internacional nessa área. Quanto à defesa e proteção civil, há investimentos significativos em capacitação e estratégias de gestão de crises para garantir um ambiente seguro e resiliente para todos os cidadãos portugueses.

Esses esforços refletem o compromisso de Portugal em lidar com os desafios emergentes, adotando uma abordagem estratégica e proativa para garantir a segurança e a prosperidade de suas comunidades. Através do Portugal 2030, o país busca fortalecer sua resiliência e capacidade de resposta a ameaças, contribuindo assim para um ambiente global mais seguro e sustentável.

Explorando os Objetivos da Agroalimentação e da Bioeconomia

Um objetivo claro em ambas as disciplinas é o design de soluções de economia circular no âmbito territorial e setorial, para importantes fluxos de materiais e cadeias de valor de produtos, bem como em setores-chave da bioeconomia, como os sistemas de base biológica sustentáveis, a silvicultura sustentável, as soluções rurais de base biológica em pequena escala, as inovações em biotecnologia e as cadeias de valor aquáticas.

Também deve ser considerado o componente social, que é uma constante em todos os projetos, tanto a nível europeu como nacional. Compreender o impacto dessas mudanças ambientais e socioeconômicas nas comunidades pode ser a forma de construir comunidades urbanas, rurais e costeiras resilientes, inclusivas, sustentáveis e mais verdes.